quinta-feira, 15 de maio de 2008

Gasolina e outras coisas giras


Esta foto foi tirada hoje, na área de serviço de Torres Vedras. Não cheguei lá de scooter, mas achei que merecia uma foto. Já o pessoal do posto não pensou da mesma maneira e a recolha de imagens foi de súbito interrompida por uma zelosa e algo histérica funcionária. Aparentemente é crime capital fotografar a placa do preçário num posto da Galp. Olhando para ela, até se percebe porquê...

Mas vamos lá à vaca fria: como é que com estes preços o pessoal continua a andar de carro? Tanto se tem falado dos 15 aumentos dos combustíveis no que vai de ano. Por acaso alguém tem reparado numa diminuição do número de automóveis na estrada? Menos engarrafamentos? Menos caos em Lisboa, menos automóveis em cima dos passeios, em segunda fila, a nascer das árvores? Não, pois não? Pessoalmente, eu acho que os portugueses são tão comodistas, tão bons a inventar desculpas, tão provincianos, que só começam a questionar o papel do seu grande-deus-carro quando o litro de gasolina chegar aos 5 Euros ou mais.

Eu hoje paguei quase 10 Euros de gasolina para atestar a Scoopy. Bem sei que ela estava sedenta, mas dez euros?! Para atestar uma scooter? OK, pronto, foram 9.99 Eur, por razões psicológicas, mas caramba! Nem faço ideia quanto custará atestar um carro, já me deixei disso à uns tempos, mas tem que doer. E ninguem pensa em mudar de vida? Todos alegremente enlatados e atrofiados até à última gota de petróleo.

1 comentários:

almatepida disse...

o tabaco tem aumentado estupidamente e não me parece que haja muito menos fumadores.
Até há duas semanas tinha o privilégio de poder deslocar-me a pé para o trabalho (10 minutos). No decorrer de uma fusão de empresas passei a ter que me deslocar todos os dias para um novo local a 15km donde moro. De carro: 15 minutos. De autocarro: 1 hora.

Claro que preferia fazer algo mais util (e menos poluente) com os 130€ que passo a gastar em combustível e portagens mas felizmente não fico muito mais pobre por isso. No entanto é um rombo no orçamento de vários colegas. E acredito que todos os dias vivam o dilema: 15'=130€ vs 1h=40€.
Mas concordo: o português é preguiçoso. E acrescentaria ainda: sofre de snobeira provinciana (Em Londres diz que anda de Metro, mas cá utiliza o carro nem que seja para percorrer 500 metros).

P.S. interessante a ideia de fazer um blog para relatar a vida urbana do cimo duma scooter. Continue!