quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Paranóia


Vou a caminho de casa e tenho uma sensação desagradável ao curvar. Parece que a traseira é flexível, maleável, parece que se arrasta de um lado para o outro. Ooops. Sei o que é, afinal já me aconteceu antes, tanto de scooter como de bicicleta: um furo! Bom, quais são as probabilidades de já ter um furo em menos de 900 km percorridos? Enfim...

Encosto e vou verificar o pneu traseiro. Não parece vazio, mas isto aos apalpões não é grande ciência. Estou perto de casa e arrisco fazer o resto do caminho, muito devagar e sem inclinar quase nada nas curvas. Chego nervoso mas inteiro, e uma vez na garagem meço finalmente a pressão. Está correcta! A do pneu da frente também. Que diabo?! Fico a olhar para a Indiana, absolutamente pasmado. Sem ideias, tranco a direcção e vou para dentro de casa. Sempre a pensar naquilo. Passa o jantar, passa o Gato Fedorento, passa a série do dia no canal 2. E eu ainda a pensar naquela situação.

Lá para a meia-noite não aguento mais. Desço à garagem, com toda a barulheira que isso implica para os vizinhos, com fechaduras a rodar, portas de metal a abrir e a fechar. Luzes acesas e estou de novo a olhar para a Indiana. Sem saber muito bem como, de repente estou a tombar a scooter no chão e tentar sacar a roda de trás fora. Lembrei-me de fechar a gasolina, retirar os ballons e fazer uma cama confortável para a Indiana, mas não me lembrei de aliviar primeiro as porcas. Com a roda livre é impossível desapertar-las. Toca a levantar a scooter de novo, soltar um pouco as porcas, voltar a deita-la. Agora já dá. Tenho a certeza que algo de muito estranho se passa, a roda tem de estar ela própria meio solta, mal apertada, permitindo movimento lateral no eixo. Uma ideia pouco agradável, mas a única possível! Saco a roda fora e verifico se existe algum movimento anormal do eixo, se há folgas...

Nada!

#/$&%*@! Mas então..? Fico ali todo sujo, transpirado, a olhar para o chão cheio de ferramentas espalhadas, a scooter deitada no meio da garagem (uma garagem partilhada, tinha tido a sua piada um vizinho querer entrar com o carro naquela altura.) Parece a cena de um acidente e de certa forma acho que é.

O meu cérebro cansado já vislumbra outras hipóteses igualmente nefastas. Pneu ovalizado; jante empenada; suspensão assassinada; sinoblocos nas couves; chassis torto... Bom, vamos lá ter calma, a scooter é nova! Acabo por trocar a roda de trás pela suplente e ir dormir. A scooter não sofreu nenhum dano na operação e fiquei satisfeito de saber que as ferramentas de série permitem realizar pelo menos este trabalho.

Manhã seguinte na marginal a caminho da empresa: tudo exactamente na mesma. Hoje, já me senti perfeitamente à vontade com a Indiana. Entretanto, estou a estudar os vossos conselhos (trocar de pneus, colocar jantes de alumínio...). Acho que vou procurar também um bom psicólogo.

12 comentários:

Torneio Escada disse...

Boas Bessa,
Não apontes p jantes ou pneus, se só "balança" ao curvar e já trocaste p suplente!
Podes ter uma pequena folga na fixação motor/chassi, talvez um pequeno descuido nesta fase da linha :)

http://www.eddybullet.com/_wp_generated/wp46b7b8cb.png

Podes sempre verificar tu, deitas a mota agarras bem o pneu movimentando lateralmente, se mexer é mau sinal! Toca apertar.

Abraço
pedromsn

Ranger Bob disse...

Isso, agarra o pneu traseiro e vê se ele abana. (por acaso não tens uma jante montada ao contrário?)

Se os pneus estiverem muito cheios a scooter parece que quer cair para os lados, mas tu já verificaste a pressão...

Truque: com a scooter deitada podes engatar a 1a velocidade para bloquear a roda traseira e permitir desapertar as porcas; não é preciso fazê-lo com a scooter em pé.

Bessa disse...

A roda efectivamente não mexe. Vou ter mais atenção à pressão dos pneus, obrigado pelas dicas!

Abraço,
Bessa

Rui Tavares disse...

Isto pode parecer estúpido e se calhar é, mas espreita para a rente da mota também: Roda, cubo, forqueta, etc, etc.
Claro que o eixo do cubo de trás já foi visto,certo?

Sérgio Guerra disse...

Se tiveres folga nos rolamentos da direcção (frente) também podes sentir um wooble que parece ser problema da parte traseira..

Abraço

Estetica Emilia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Andre Bessa disse...

u por acaso tenho a mesma impressao na minha lml..e alias..á cerca de dois dias vi um amigo a dar umas voltas..e ao ver de tras..parece que a roda abana um bocado...estranho..

Bessa disse...

E abana se mexeres na roda com a mão?
(Scooter parada!)

A minha dá essa sensação de wooble, mas depois as rodas estão, ambas, aparentemente, bem.

Como disse, vou fazer a 1ª revisão, arranjar outros pneus e depois logo vejo.

Abraço!

Andre Bessa disse...

Viva,

Abana...mas é uma folga pequena..menos de 1cm.ainda falta para a minha 1º revisao(500km), mas acho que vou á oficina antes.

Se me derem alguma justificação de jeito..eu informo-te.

Abraço.

Avelino Oliveira disse...

Bom dia,

Chegou a alguma conclusão?
Tenho uma 125 4t e às vezes sinto isso.
Não sente em andamento q parece que o volante quer virar para a direita?
Cumprimentos,
Avelino

Avelino Oliveira disse...

Bom dia,

Chegou a alguma conclusão?
Tenho uma 125 4t e às vezes sinto isso.
Não sente em andamento q parece que o volante quer virar para a direita?
Cumprimentos,
Avelino

Bessa disse...

Isso já foi há muito tempo, mas sim, cheguei a uma conclusão: era dos pneus indianos! Depois de trocar por uns decentes nunca mais voltei a ter essa sensação!