terça-feira, 29 de setembro de 2009

Dia 13: Boas vibrações?


A Indiana totaliza agora 465 km. É pouco, mas tendo em conta que ainda não fiz nenhuma viagem, não é mau. O motor parece agora ligeiramente mais solto e já alcancei uns estonteantes 75 km/h. De velocímetro. A descer ligeiramente...

Continuo com algumas apreensões, mas já lá vamos. Não resisti a comprar uns acessórios que me pareceram imprescindíveis para a scooter. Um gancho para capacetes, que se coloca debaixo do banco, (um elemento que vinha de série nas últimas PX) e uma grelha porta-bagagens frontal (vulgo porta couves). Infelizmente acabei por encomendar estes itens pela internet, e digo infelizmente por duas razões: primeiro o porta couves não é exactamente o que eu estava à espera e depois chegou demasiado tarde.












Com a minha falta de à-vontade com a Indiana e a sua condução, e o atraso na chegada do único porta couves disponível, fez-me desistir da viagem ao camping do ScooterPT, o único evento a que eu faço questão de não faltar. Fiquei desapontado, mas desforrei-me com uns passeios pela serra de Sintra e arredores. Da última vez, já com a grelha montada (tamanho XXXL) fui até ao Magoito, estância balnear que povoava memórias de uma infância longínqua.



As mil vibrações da Indiana já me fizeram confirmar e apertar todas as porcas e parafusos visíveis. De tal maneira que apertei alguma coisa que não devia no descanso e ele agora não recolhe sozinho! Mesmo assim os sons metálicos e as vibrações estremecedoras continuam, mas não reparo nisso quando estou perdido numa qualquer estrada da Serra de Sintra, coisa que ainda me acontece com alguma frequência. Em estrada aberta, daquelas nacionais bem pacatas, senti-me por fim confortável. Não reparo na imprecisão do selector das mudanças, nem me queixo da travagem "oito ou oitenta". Todo o charme da scooter vem ao de cima num ambiente de lazer, em que não há nenhuma urgência, não há corrida no semáforo.







Só manter a Indiana na trajectória certa já exige muita atenção, sobrando só o suficiente para apreciar a paisagem que muda lentamente e sentir os cheiros, a humidade do ar e todos aqueles pormenores que só quem anda de mota conhece.

9 comentários:

Torneio Escada disse...

Olá Bessa,
Começo por dizer que a minha lml foi-me entregue ontem :), hoje já vim trabalhar de scooter ;)... 1 mês de espera que valeu bem a pena!
Reparei ainda que por onde passo, muita gente fica verdadeiramente a contemplar a mota :D. Sobre o meu 1.º dia no trânsito, ela desenrasca mt bem! E acabou o stress dentro do carro e o problema de estacionamento. Notei no paralelo (calçada) algumas vibrações e barulhos, que são típicos das motas antigas!
Sobre esta tua última msg fiquei um pouco intrigado! Acho que passar de uma CN para a LML foi um downgrade de conforto, estabilidade, tecnologia, segurança etc… Mas um upgrade sem dúvida de Estética/beleza. E tu como é normal sentes essa diferença.
Acho que um dono de uma scooter como a nossa pode dizer o seguinte “ela é linda de morrer, até cozinha bem, mas não é grande coisa na cama” ;)
Um abraço
Pedro
OBS: a minha é o famoso azul C, com pneus faixa branca :DDD

MOTARTE disse...

Sem dúvida, boas vibrações!

Não gosto muito é da "grelha" aí na frente, confesso!

Calatróia disse...

Temos que combinar umas voltas por Sintra :D

Esse porta-couves facilmente cai com peso, uma vez que nao tem nenhuma barra metálica no avental de lado :S

Bessa disse...

Pedro: parabéns pela nova montada! Sem dúvida que se há coisa que uma LML faz bem, é chamar a atenção. Em Azul C. então... : )

Muitos e bons quilómetros com ela!

Calatroia: na foto de pormenor o porta couves ainda não estava montado, só colocado no lugar. Se vires na primeira foto já está tudo no sítio. Um passeio de scootyer pela Serra de Sintra não é ideia a desprezar, aliás um grupo de vespas a zumbirem pela serra seria memorável! Um abraço.

Rui: O porta couves é exagerado, também acho, mas é muito útil em viagem, pelo menos acho que sim, vou testar isso a fundo este fim de semana. Abraço!

Calatróia disse...

o meu mail é joaocalatroia@hotmail.com

manda-me um email para no proximo sabado de manha darmos uma volta bem engraçada e cheia de curvinhas :D

abraço

Ilde disse...

Foste até ao Magoito e não avisaste??? está mal...tinha ido contigo e almoçavamos lá em casa dos meus velhotes...
E já agora...esse porta-couves é giganteeee....

Rui Lebreiro disse...

Olá Bessa (se me permites),

Pois é, também fui mordido pelo bichinho da LML e ja encomendei, agora estou naquela fase dramática de aguardar a entrega :\

E, claro, pensar em algums extras.

Vi no teu post a questão do gancho que serva para suportar o capacete (em situaçoes pontuais claro).

Nao percebi bem como funciona. Quando colocas o capacete, abres o banco, depois baixas e ele fica preso?
Ou o gancho fica sempre aberto e o capacete é simplesmente apoiado?

Obg desde já, ab,
Rui

Bessa disse...

Parabéns pela aquisição, Rui!

O gancho (o par deles) fica completamente coberto pelo assento quando este está fechado. O capacete fica preso, só saí de te rasgarem a fita do capacete ou destruírem o banco...

Só para pendurar há sempre o gancho de série.

Boa sorte com a tua LML, a espera é que leva sempre muito tempo : )

Um abraço

Rui Lebreiro disse...

Obg :)

É sem dúvida um acessório que vou considerar.

Já agora, andas-me assustar-me com esses posts de *bugs* da LML... ;) enfim, já fico alerta eheh

Ab,
Rui