sexta-feira, 11 de setembro de 2009

The deed is done


Foi com sentimentos contraditórios que ajudei a amarrar a boa velha CN na traseira de um furgão, rumo a novas aventuras, em outras mãos. Nalguma altura, e como sempre acontece, ela deixou de ser só um veículo e tornou-se algo mais para mim. Por isso a hora da despedida foi vivida com alguma intensidade. Muitos mais quilómetros, é o que lhe desejo.



Neste momento encontro-me, pela primeira vez em algum tempo, "scooterless em Lisboa", como diria o Orin. Enquanto a minha nova scooter não chega, estou mesmo apeado. A sensação é estranha, mas não desgosto de andar de transportes públicos, principalmente de comboio. Traz-me memórias da infância e deixa-me mais tempo para meditar, entre um sítio e outro.

6 comentários:

sgdinis disse...

Disclaimer: seguem-se comentários a vários posts aqui.

Ok. Também eu fui um daqueles que em Junho ou Julho encontrei este blog mediante uma pesquisa por "LML";

Também eu sou um daqueles que nunca se viu com uma scooter, antes sempre quis uma "mota" propriamente dita;

Também eu quis uma LML;

Agora eu começo a pensar em não querer....

Ora bem, sendo eu um advogado-estagiário (ou seja, um advogado em projecto), não fica muito bem andar de "DTR" de um lado para o outro, pelo que imediatamente coloquei de lado a hipótese de comprar algo do género... Assim, comecei a busca por scooters... Até que encontrei as LML! "Ena, era mesmo isto! Look clássico, 0Km.. impecável!" Contudo, depois de "N" pesquisas sobre LML's e afins comecei a pensar bem se seria adequado para mim.. é que eu sempre gostei de velocidade. eu sempre gostei de motas... eu nunca fui grande adepto das vespas PX... e sempre fui adepto de estilos retro (em carros)...

Assim, dei por mim a querer alternativas, estando agora muito inclinado a comprar uma SYM Fiddle II (que, desde já agradeço se alguém me puder dar feedback, já que dificilmente encontro algo em Português... quero lá eu saber das SYM no mercado americano...). Pelo que li com algum agrado o teu artigo sobre as alternativas e a moda das vespas - e confesso que me revi nele... Possivelmente até me ajudou a querer um bocado menos a LML e a querer um bocado mais a SYM. Pelo preço, pela praticabilidade por tudo!

Posto isto, chegamos ao que interessa...

Sempre gostei da CN pelo seu desenho futurista, nunca na vida a trocaria por uma LML... Mas, tu não és eu. Assim, congratulo-te pela tua compra, sendo certo que compraste uma mota muito bonita, com muita "pinta" e que virará muitas cabeças onde quer que passes!

Parabéns! Continua com o blog, pois escreves bastante bem e gosto de ver as tuas "pripécias!"

Rui Tavares disse...

1- Tens o que mereces: Sleepless hours of regret.
2- Vais ter um briquedo novo e isso é bom.
3- Nunca consegui mandar uma scooter embora, por isso o meu carro daqui a nada dorme na rua.
Abraço

Anónimo disse...

Olá.
Descobri a tua página à pouco tempo.
Tambem eu gosto de vespas, e a LML é uma escolha a ponderar...mas o facto de ser LML e não Vespa ainda me mete alguma confusão, mas daqui a pouco tempo (e com o número de LML`s a aumentar), isso já não será importante.
Estou ansioso para que chegue a tua "máquina", para nos dares feed-back.
Cumprimentos.
Rodrigues.

Castanheira disse...

À coisa de uns 2 meses descobri o Scooter Log, porque antes de comprar a minha Vespa, andei pela net a pesquisar tudo e mais alguma coisa sobre Vespa e "caí" aqui.
A partir daí passei a acompanhar o blog e acima de tudo passei a reparar nas inúmeras CN's que rolam diáriamente por Lisboa, que era uma scooter que nunca liguei a mínima. Há imensas a rolar, com pessoal de todas as idades e sexos aos comandos. Acredito que depois de tantas peripécias a separação seja muito difícil.
Quanto à minha Vespa, lamento chocar os puristas, mas comprei uma automática, mais precisamente a recente GTS 300 Super. Dificilmente compraria qualquer outro "aspirador" que não fosse uma Vespa. Adoro contemplar o design, o estilo clássico-desportivo e a fantástica resposta do motor (mesmo com pendura), que para mim que sou novato em andanças regulares pelas duas rodas chega e sobra.
A LML como continuação da PX é excelente e dá gosto vê-las a circular com tão bom aspecto, embora eu já não me consiga ver em motas a dois tempos (com o seu característico cheiro de escape) que não sejam efectivamente antigas. Se comprásse uma acho que não resistia em retirar os logos "LML", "Star" e companhia e ou deixava o vazio, ou quem sabe até colocar uns originais Vespa... porque na verdade é uma Vespa.:-)
Parabéns pelo blog e boa sorte com a nova montada.

Bessa disse...

Esta troca não foi uma decisão fácil. Até por mais razões que vocês não mencionam, como o facto da LML ser um pequeno monstrinho poluidor, coisa que não me é indiferente...

A verdade é que acabei por concluir que podia sempre voltar a ter uma CN mais tarde (espero...) mas as scooters em metal, a dois tempos e com mudanças manuais já não duram muito mais. É uma experiência que quero ter.

Obrigado pelas palavras simpáticas, também mal posso esperar pela nova montada e as histórias que ela trará...

Toni disse...

Pelo que por aqui foi falado neste blog que ja sigo ha algum tempo, espero que o futuro dono faça essa CN tão feliz como o caro Bessa fez.